contador visitas
contador de visitas

Com direção de Ricardo Spencer, o duo Agridoce surge com mais um clipe todo Trabalhado em Nostalgia. A musica escolhida, foi 130 Ano...

Clipe 130 Anos - Agridoce e a Comunhão do Tempo


Com direção de Ricardo Spencer, o duo Agridoce surge com mais um clipe todo Trabalhado em Nostalgia.

A musica escolhida, foi 130 Anos. Uma das faixas que nasceu na Casa Da Serra Da Cantareira, onde Pitty e Martin se refugiaram para gravar esse projeto de musicas doces e acres.
Basicamente, o roteiro do clipe versa sobre dois personagens, amigos que resolvem, seja lá por qual motivo, fazer as malas e cair na estrada rumo ao desconhecido. Como se fosse uma fuga.
Durante o trajeto, ambos modificam imperceptivelmente o visual – Pitty com uma peruca Loira, e Martin com Bigode e cavanhaque – enquanto discutem e riem, sentindo o tempo passar.
Tempo. 
Essa é a questão levantada pelo clipe.
Mas antes é importante entender que 130 anos; a musica, versa sobre a coragem de ir alem, de fugir de estereótipos e buscar seu verdadeiro eu, a coragem de fazer aquilo que deseja sem temer o que os outros vão dizer e ate onde chegarão em seu julgamento... Essa é a diferença entre se tornar um arremedo de si próprio sem mais se reconhecer, e de ser quem deseja ser. E isso, essa consciência às vezes leva tempo. (eis aqui a mesma mensagem de sempre de todo o trabalho de Pitty no geral, LIBERDADE).
Usando diversas referencias como o movimento “Pé na Estrada” que nada mais é do que colocar uma mochila nas costas e pegar a estrada, rumo a aventura, a liberdade, ao desprendimento, banhados por jazz, poesia e etc.; e repleto de detalhes, como as cenas com planos de câmera estática, com imagens em movimento e vice e versa, assim como os diversos objetos que ajudam a contar a historia; Ricardo Spencer busca num filme de 1983, a referencia certeira para contar a historia delicada e pesada de 130 anos.
O filme em questão vem de André Tarkovski e seu Filme "Nostalgia."
Assim como em Nostalgia, não importa o sentido das ações, mas sim as ações em si.

O próprio Andrei Tarkovsky definiu seu filme como um retrato de alguém em profundo estado de alienação em relação à si próprio e ao mundo, incapaz de encontrar um equilíbrio entre a realidade e a harmonia pela qual anseia, num estado de nostalgia provocado não apenas pelo distanciamento que se encontra de seu país, mas também, por uma ânsia geral pela totalidade da existência. Vendo por seus argumentos, o objetivo de Tarkovsky não é criar o desenvolvimento de uma história, mas sim, criar uma interação entre a tela e a atenção do espectador, fazendo surgir assim, o tempo.

O Clipe 130 anos faz a mesma coisa, traça um panorama de dois personagens em busca de si mesmo. Uma fuga de uma angustia sem nome ou explicação, trazida pelo tempo, e por isso mesmo a busca a um reencontro, onde algo possa sobreviver, onde algo possa fazer sentido. Onde consigam ter a comunhão entre o meio – natureza, vida – e a existência física – seus pensamentos, seus anseios, suas vontades.
A peruca Loira de Pitty nos remete a personagem glorificada de Nostalgia que é a causa do suicídio de seu amante desequilibrado.
O visual cavanhaque e bigode de Martin é a alusão perfeita do pacato Homem tentando entender seu lugar no mundo novamente.
A fotografia esfumaçada que beira ao anacronismo, o carro vintage, as cores mornas puxadas para o verde e meio apagadas – apesar da iluminação coesa – trazem ainda mais fortemente a questão do Tempo as cenas. Os planos de câmera sempre estáticas, com movimentos dispersos de imagens (uma técnica que Lars Von Trier adora fazer, mas com o acréscimo da diferença de tempo de acordo com o espaço) trazem uma melancolia e uma urgência, que por mais monótona que possa parecer nos prende ali como espectador, para sabermos o desfecho que tudo terá.
Novamente: a trama não importa, o que importa é a busca, a sensação interna dos personagens, sua interação com o tempo e o meio (notem a cena dos cavalos... )

Ricardo Spencer conta a historia, justamente do duo aqui na vida real.
Eles estão em fuga e numa procura. Mas ao contrario do que se pensa, ser da policia ou de uma gangue; Eles estão fugindo deles mesmos.
A casa abandonada lembra demais a casa da Serra da Cantareira onde o projeto foi gravado, assim como o Hotel lembra a casa deles aqui na cidade mesmo.
Entendem?
Deixar o mundo mecânico para trás, mudar, justamente para se encontrar em outro lugar. No caso, uma casa longe de tudo com uma piscina esverdeada (lembrem onde a musica foi composta) livres finalmente para alçar voo, mesmo que o voo seja Agridoce.
Mas essa cena da piscina, bem como o brilhante plano da Casa Abandonada, com imagem estática, plano abertíssimo apenas com as nuvens do céu denunciando o tempo que nunca para e passa rápido, é mais uma alusão a Nostalgia. Mais especificamente a cena final em que é representada a persistência do personagem principal em ir ao seu reencontro final com suas lembranças ao tentar atravessar uma piscina vazia com uma vela acesa na mão afim de chegar no fim da piscina sem tê-la apagado. Assim que ele consegue, há um corte para uma cena final onde ele se vê deitado num ambiente onde a realidade e as memórias parecem ter se fundido.
É o que Pitty e Martin fazem. É o que procuravam. É onde se refugiarão(como bem sabemos que fizeram de fato).
Lindo, sensível, minimalista e que passa a mensagem ao modo Spencer de ser: nas entrelinhas e nos detalhes, nas referencias.
O clipe termina no começo de tudo. Pássaros cantando ao longe para a jornada começar.
Para fãs da banda principal de Pitty e Martin ( A Pitty) e para aqueles que torcem pelos artistas em si, esse clipe é a explicação perfeita para a existência de tal projeto, e assim mesmo a paz para aqueles que temiam um fim, tanto queriam. Não ha fim nessa jornada, ha apenas um reencontro.
Parabéns aos envolvidos, e agora chega de explicação, afinal, musica e cinema não foram feitos para serem explicados, e sim compreendidos e sentidos. vejam em HD, bem alto e em tela cheia.




You may also like

4 comentários:

  1. Muito bom, é bem esse o sentido da música! :)

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Bem minimalista essa explicação e certeira. E a alusão do clipe ao filme me ganhou! :)

    ResponderExcluir

Will Augusto. Tecnologia do Blogger.

Realidade Utópica no Face

Utópicos

Contact Us

Utopicos ate o momento

Eu
Aquilo Tudo que posta no Facebook e mais tantos mistérios que nem mesmo o espelho ou o mundo dos sonhos foi capaz - ainda - de descobrir.